Qual a diferença entre garfo e suspensão para bicicleta

Se você gosta de andar de bike, seja qual for o motivo, por esporte ou apenas locomoção, já percebeu que há algumas opções quando o assunto é a escolha de peças? Isso porque em alguns casos é preciso escolher entre uma peça e outra a depender de suas vantagens. O garfo e a suspensão para bicicleta são exemplos disso.

Sabemos que o uso pode ser muito amplo, como praticantes de mountain bike, pessoas que usam a bicicleta para trabalho e locomoção em geral, para apenas perder peso, enfim. A melhor alternativa, então, é saber para que serve cada um deles e relacionar com o uso da sua bike. Assim, fica mais fácil saber qual é a peça que mais se encaixa nas suas necessidades enquanto ciclista.

 

O que é e para que serve o garfo rígido?

O garfo rígido é a peça entre o guidom e a roda dianteira, ele é responsável por reduzir o peso da bicicleta. Podemos encontrar no mercado modelos em materiais como alumínio, com cerca de 1,2 quilos, além da fibra de carbono, que pode chegar a um peso ainda menor do que 1 quilo.

A função da peça, principalmente quando mais leve, é ajudar a ganhar velocidade durante o uso da bike. Também é ideal em subidas, pois ajuda a firmar o pneu no chão, trazendo maior estabilidade. Em contrapartida, pode ser mais difícil passar por locais com pedras, por exemplo, ou ainda, ficar com os braços mais cansados.

A suspensão para bicicleta e a sua função

A suspensão é uma ferramenta que auxilia o ciclista a amortecer os impactos durante o trajeto. A peça pode chegar ao peso de quase dois quilos, deixando a dianteira um pouco mais alta. A suspensão torna muito mais fácil e até segura a passagem por terrenos acidentados, pois a peça serve como amortecedor em altas velocidades.

Entretanto, pode ser mais difícil fazer subidas, principalmente pelo peso da peça, e até mesmo manter a estabilidade da velocidade em locais retos. Isso pode gerar uma perda de rendimento para o ciclista por conta da dificuldade em manter a mesma velocidade em diferentes terrenos.

Como escolher entre a suspensão e o garfo

Quando falamos sobre essas duas peças e suas funções, não existe um certo e errado, mas a finalidade e observação das demandas do ciclista. Se você utiliza a sua bicicleta para trajetos simples do dia a dia ou mesmo para fazer um exercício físico, pode ser que o garfo seja o ideal, pela leveza e facilidade em subidas.

Já se a sua finalidade com a bicicleta é praticar esportes, tais como trilhas, por exemplo, a suspensão pode trazer maior segurança e facilitar o uso em terrenos acidentados. Então, o ideal é avaliar as suas necessidades e adquirir a peça que apresente maiores vantagens dentro do seu contexto.

Quando compreendemos a função da peça fica muito mais fácil entender qual é a que mais se aproxima do ideal para nosso contexto. Agora você já sabe escolher entre suspensão e garfo rígido para a sua bicicleta!

Nova Campanha Publicitária Nutcase

Ao abrir a edição nº 45 da revista Bicycle Times, a primeira imagem que verá será a de um leão irritado com toda sua soberania tentando massacrar um gladiador pedalando rapidamente em busca de segurança.

Essa publicidade extravagante é parte de uma nova campanha criada pelo extraordinário povo da “The Community”, uma agência de criação global que acredita no poder da parceria e de idéias guiadas pela cultura.

A agência “The Community” entrou com contato com a Nutcase no ano passado quando seus designers decidiram que queriam criar uma campanha publicitária que expressasse a causa na qual acreditam. Um membro da equipe, após ter se acidentado com sua motocicleta enquanto usava um capacete para moto Nutcase, os convenceu a idealizar uma campanha que pudesse ajudar a contextualizar o uso do capacete. Eles então concordaram em trabalhar com a Nutcase quando se encantaram com nossa presença nas redes sociais e com nosso lema “A Maior Diversão que um Capacete Jamais Teve”.

Time brasileiro de criação.

 

O resultado de toda essa criatividade é uma campanha que mostra quatro desenhos divertidos demonstrando a forma que os capacetes vêm sendo usados através dos anos para nos proteger contra uma variedade de elementos. Com Slogan:  Capacetes. Nos protegendo desde sempre”.

Conheça o instituto Dbike

Fundado em maio de 2013 na cidade de São Paulo, o iDBike propõe-se a estimular e operacionalizar o intercâmbio de dados e informações provenientes das esferas privadas e públicas e tudo que oportunize a evolução dos atuais parâmetros da mobilidade, principalmente apoiada pelo uso intensivo da bicicleta.
Calçado em mais de trinta anos de experiência em TI dos mentores e primeiros diretores, o iDBike trás para o cenário do cicloativismo importantes instrumentos tecnológicos para gestão administrativa, operacional e do conhecimento, determinantes nesse momento de grande produção e de acúmulo de informação. Associados a esses, a multidisciplinaridade legada de seus fundadores permite a elaboração de abrangentes projetos transmídia (integração de diversas mídias analógicas e digitais) que contemplam desde programação audiovisual televisiva até o desenvolvimento de aplicativos e games digitais para diversas plataformas.

 

 

Design digital, modelagem 3D, animação,  personagens para HQ – através do iDBike tais elementos passam a constituir sofisticadas soluções integradas cuja finalidade é fomentar a infraestrutura, segurança e a tranquilidade necessárias para um simples ato: andar de bicicleta.

Fonte: http://www.dbike.org/index/instituto-dbike2/

Acesse: http://www.dbike.org/instituto/

Dicas nas primeiras Trilhas

Dicas que poderão ajudar em suas primeiras Trilhas

Para aqueles que têm alma de aventureiro e o desejo de inovar ao escolherem uma nova atividade ao ar livre, as trilhas (ou “Trekking”, como são comumente conhecidas pelos adeptos da modalidade) são uma opção muito boa, por possibilitarem o contato com a natureza, bem como um exercício bastante eficaz, capaz de renovar corpo, mente e espírito. É necessário, porém, se atentar a alguns detalhes importantes ao iniciar essa prática, se assegurando de que sua experiência seja agradável e segura.

 

  • Ter um guia é fundamental na(s) primeira(s) vez(es), para que sua trilha não se transforme em um filme de terror. Uma dica interessante é usar fita biodegradável para demarcar a rota da sua trilha. Ela tem um preço bem acessível e é fácil de ser encontrada.

 

  • A vaidade terá de ser deixada totalmente de lado. Não é aconselhável usar pulseiras, brincos, anéis e joias em geral. As mulheres devem prender o cabelo. Não hesite em abusar do filtro solar e repelente, óculos de sol e boné. Calças jeans e blusas de tecidos grossos também estão fora de cogitação. Opte por calças ou bermudas de tactel, legging e camisetas que permitam o corpo transpirar tranquilamente, como as Dry-Fit, por exemplo, bem populares em academias. Escolha um tênis resistente e com sola antiderrapante, para evitar eventuais acidentes.

 

  •  Leve uma mochila apenas com o essencial, para que você não seja sobrecarregado com o peso. Tenha consigo água, frutas, barras proteicas, canivete, lanterna, capa de chuva, mapa, celular e materiais de primeiros socorros. Vale ressaltar que o espaço da mochila deve ser otimizado ao máximo. Fitas e outros objetos podem ser enrolados uns nos outros, e materiais mais sensíveis devem ser impermeabilizados.

 

  • Alongue-se antes e depois da caminhada, para evitar estiramentos e outros tipos de lesões; não estragando sua trilha e não sofrendo com a dor no dia seguinte.

 

  • Fitas ou vaselina podem ser utilizadas nos pés e/ou mamilos para evitar bolhas e irritações devido ao atrito com as roupas e calçados.

 

  • Tente sempre fazer trilhas acompanhado ou em grupo, lembrando-se de não se afastar dos demais e de respeitar os limites dos companheiros, e, acima de tudo, seu próprio limite, ouvindo os sinais do seu corpo. Dê um passo de cada vez, literalmente. Caso decida fazer uma aventura sozinho, deixe amigos e parentes de sobreaviso.

  • Fique de olho nas plantas e animais venenosos, como cobras e aranhas. Algumas plantas, apenas no contato com a pele, podem causar enormes problemas, e uma picada pode te levar até a morte. O indicado é fazer uma boa pesquisa prévia da região onde sua trilha será realizada.

 

  • Não deixe lixo espalhado pela trilha. Recolha sempre seus utensílios, “tralhas” e demais sujeiras antes de seguir em frente, e contribua para que outros “trekkers” tenham uma experiência em meio à natureza tão bacana quanto a sua.

Seguindo essas dicas, sua trilha tem tudo para ser um sucesso e fonte de bons momentos na relação do ser humano com a Terra. Equipe-se e aventure-se!