Oslo erradicou as mortes em acidentes de trânsito

A CIDADE SEM VÍTIMAS

Lá em 1997, começou-se a se falar sobre o projeto Visão Zero na Noruega. A campanha de conscientização foi criada para tentar reduzir um terrível problema que toda cidade maior sofre: acidentes de trânsito e mortes de pedestres ou ciclistas por causa da violência do trânsito.

Estacionamento de bicicletas na rua em Oslo – © EnvatoElements


Mas você sabe como são promessas assim. Poderia ficar só no papel, e muita gente não acreditou que daria certo.

Um ano atrás, Oslo abriu 2020 com boas notícias: nem um único pedestre ou ciclista foi morto em suas ruas durante os 12 meses anteriores, e apenas um motorista perdeu a vida, algo que há várias décadas seria impensável (por exemplo, em 1975, 41 pessoas foram atropeladas). E enquanto em outras grandes cidades o número tem aumentado progressivamente, em Oslo diminuiu enquanto as medidas contempladas no projeto Visão Zero estavam sendo implementadas. Para contextualizar a conquista, outra informação: nesse mesmo 2019, 86 pessoas morreram em Madrid devido ao trânsito, e em Barcelona o número foi 76.

Oslo (AlexvonGutthenbach-Lindau/Pixabay)

A receita


A resposta, como em tantas outras questões que dizem respeito à organização da cidade, passa por duas palavras essenciais: vontade política. O Vision Zero partiu de uma máxima clara: a principal responsabilidade pelos acidentes é devido ao desenho geral do sistema. E depois de muito tempo com o carro reinando indiscutivelmente na capital, esse sistema teve que ser reformado fundamentalmente.

Independentemente das diferentes administrações que governaram a cidade nas últimas duas décadas, as ações têm sido constantes: as velocidades máximas dos veículos automotores foram gradualmente reduzidas. Milhares de vagas de estacionamento foram eliminadas nas vias públicas. As calçadas foram alargadas. Optou-se firmemente pelo transporte público. E, claro, as infraestruturas cicloviárias multiplicaram-se, o que desencadeou o aumento do número de bicicletas que circulam nas ruas. De 2017 a 2020, as viagens de bicicleta passaram de 8% para 16%, e a ideia é que em 2025 o número chegue a 25%.

Mas talvez a medida mais divulgada para além das fronteiras escandinavas foi a que entrou em vigor em 2019: após anunciá-la com grande alarde três anos antes, Oslo tornou efetiva a proibição de circular todos os carros no centro da cidade, incluindo os elétricos. A capital apostou assim nos seus cidadãos, que recuperaram um espaço público em que os veículos são meros hóspedes em condições muito específicas, como emergências ou entrega de mercadorias em horários matinais específicos. Uma medida destinada a “beneficiar todos os cidadãos”, como afirma Lan Marie Nguyen Berg, dos Verdes. “Para pedestres, ciclistas e lojas”, especificou. O tempo acabou provando que ele estava certo.

Hoje Oslo é referência mundial em tudo o que tem a ver com viver bem. Bairros modernos convivem com uma natureza onipresente: apenas um terço da cidade é construída, já que o resto é floresta intocável. A segurança permeia tudo: é tão difícil ter sua carteira roubada quanto ser atropelado por um carro. Praticamente impossível.

Isso não impede que longas filas de tráfego entrem e saiam da cidade todos os dias. “O governo está apenas tornando as coisas mais difíceis para os motoristas. Carros são constantemente tirados do espaço, para raiva de uns e alegria de outros”.

Revista Bicicleta

Deixe um comentário